Natiele Lopes. Tecnologia do Blogger.

capítulo 5-Descobertas


Já havia se passado um semana,que cheguei a Forks.A cideda de fato era pequena,porém aconchegante e acolhedora.E de uma forma estranha,esta cidade era tudo do que precisava para vir morar nela...







A minha felicidade era evidente,e meu avô parecia tão feliz quanto eu,só o que ele não sabia,era que eu estava mais feliz que ele,pelo simples fato de está livre de da super proteção da minha família...






Sue,no inicio ficava me olhando de um jeito,como se esperasse algo de mim,e de inicio eu não entendi,mas depois entendi o porque de fato...Ainda mais,que ela mesma veio falar comigo,quando vovô não estava por perto.






-Renesmee?Olha eu não quero ser incoviniente,mas gostaria que você tirasse algumas duvidas...Pode ser? - disse ela com um pouco de duvida,mas assenti para ela.E ela continuou a perguntar.






-Eu queria saber de fato,o porque você quis vir morar aqui com o seu avô...? - eu a interropi,dizendo...






-Com você também.- disse corrigindo a.






Sue deu um leve sorriso,e continuou a falar.






-Certo...Bem...é porque você quis morar com a gente?- refeformulou a pergunta.






Por um segundo,eu pensei em como iria respondê-la,mas vi que não precisava mentir para ela,pois ela sabia o que minha família e eu era.E talves por saber algumas coisas de nós,ela entenderia a mim.






- Na verdade...eu precisava de um pouca de liberdade.Você sabe como é a rotina da minha famíla...,e a sua excessiva proteção comigo.E isso estava me matando.- ela me olhou atentamente,mas eu desabafei com ela como se fosse a minha melhor amiga. - Eu cansei de ter que ser tratada como uma boneca de porcelana,ou como se eu espirrasse,era sinal de perigo,ou estava correndo risco de vida...Então foi ai que tive a ideia,de vir morar em Forks com vocês...,porque eu sabia que aqui com vocês,eu iria ter o que queria;como ir para a escola sem baba para ir me levar ou buscar,ir sair com alguma amiga...Sabe?Te r uma vida normal e humana...E todos diziam que era assim que deveria viver,mas tudo não passava de pura ipocrisia de todos,porque na hora de praticar,não era como deveria ser. - sorri. -Foi dificil deles aceitarem,mas no final ninguém quis encarar o meu despreso e infelicidade.E deixaram eu vir.






Sue não falou nada,mas a sua expresão,era de que entendia,e acreditava em tudo que eu falei.






-Hum...Está certo...Então...tem outra coisa que quero perguntar. - dessa vez,ela não esperou eu responder ou assentir;foi logo perguntando.






-Quando pretende caçar?E...seus pais te explicaram os limotes de onde possa caçar.- eu entendi a pergunta,mas saiu estranho a forma que ela perguntou.Então resolvi responder conforme entendi.






-Bem...eu geralmente consigo ficar no máximo umas duas semanas,mas eu fico o mais tarda uma semana...E da para aguentar ,porque como eu me alimento também de alimentos humanos...,consigo sobreviver.Mas não se preocupe,que não vou ficar muito tempo sem caçar...,e mesmo que demore eu não represento ameaça a algum humano.- disse logo,que percebi sua preocupação,pelo possivel ataque de abstinencia de sangue. - E minha meu pai e Carlisle me disam para eu,para eu caçar ao norte,para não correr o risco de ser confundida com um vampiro pelos lobos...O que é ridículo,porque o meu coração bate como britadeira no asfalto. - sorri,rindo comigo mesma. -Bem!Eu achei desnecessario,mas não queria dar motivo ao meu pai para ele mudar de idéia em deixar eu vir para cá.






Obvio que eu não ia dar motivo para essa possibilidade,mas todas as suas recomendações,era bem estranha porque até onde sei,eu não iria matar ninguém...portanto.










Depois de mais alguns esclarecimentos,Sue mostrou que estava aliviada.E seus olhares cauteloso,agora já não existia.E ela passou a agir naturalmente,como se fosse a minha mãe.Bom.Pelo menos ela entendeu,pois depois daquela conversa eu pedi para ela não falar nada para o vovô,para ele não dá de um de herói e ligar para meus pais e dar sermão neles desnecessariamente.










Na escola fiz amizade,mas só uma garota que grudou comigo como se fosse unha e carne...mas Anneline era divertida.






No sábado eu fui em sua casa,para fazer um trabalho de inglês.E mais tarde voltei para casa,e ajudei até tarde,Sue fazer umas tortas para vender na feira que iria ter em Port Angeles...


Eu iria ir,mas acabei dormindo mais que a cama,e segundo vovô...,Sue não quis me acordar,e caso eu ainda quisesse na feira,era só ligar para ela que ela iria ficar me esperando...


Mas o meu sono não foi mais do que a cama,pois mesmo cansada a noite não foi tão boa.Além do meu rotineiro sonho,que durante toda semana que cheguei,e todas a noites que dormi,estavam lá.






Só que desta vez,um outro sonho veio assombrar a minha inconciência.Eu não sabia se era um sonho mesmo,pois eu sentia que estava deitada,e escutava os roncos de Charlie,e os movimentos de Sue na cama.Mas o que realmente vi,e foi uma coisa mais que bizarra,foi que eu pude ver os seus cérebros,todas as conexões de suas conciências...E ao mesmo tempo,eu sabia que poderia tocá-los,mas algo dentro de minha estranha conciencia dizia que isso não era bom,pois era como se um mão,a minha mão poderia tocar,e se eu quisesse fazer esquecer algo,eu conseguiria fazer-los esquecer,como também poderia fazê-los lembrar...E eu até conseguia ver se havia algum tipo de raiva,ou preocupação...e esses pontos eram representados por uma cor escura...Tudo que conclui era eu podia fazer aquela massa explodir com a mão...E foi ai nesse exato momento que acordei.






Céus!Eu poderia ter ficado sonhando com o meu misterioso Jacob,e escutando a voz falar seu nome aos sussurros,e dai vem essa loucura de sonho.






Então olhei para o relógio e vi que só era uma hora atrasada do horário que me levantava para ir a escola. E com medo de voltar a ter esse ridículo sonho,resolvi me levantar.






O estanho era que ultimamente eu estava tendo uma pontadas na cabeça,mas não fazia idéia do que era...Eu não cheguei a contar para ninguém,ainda mais que se esse fosse o motivo de desculpa para não vir para Forks.Mas chegou a passa,e não era tão incomodo a dor;só que toda vez que tinha aquele sonho,eu acordava com um pouco de enxaqueca...Era como se aquele sonho desgastasse o meu cérebro...Mas essa droga de enxaqueca não iria estragar o meu dia como estragou a minha noite de sono.






Então sem hesitar,coloquei o meu sobretudo de lã para cobrir as minhas roupas de dormi,nada apropriadas para andar pela casa...um short minúsculo,uma blusinha de alça finas,e sem sutiã...Então isso já diz tudo!






Desci a escada e fui direto para a cozinha,e já encontrando com Charlie a todo a vapor,colocando um monte de comida ,sanduíches,cervejas,e garrafas de água numa bolsa térmica...E quando me viu entrar na cozinha fez cara de surpresa.






-Hora!Já está de pé tão sedo...É domingo,devia ficar até mais tarde dormindo. – disse ele.






Sentei me na cadeira,para observá-lo colocar as coisa na bolsa,e disse.






-Pesadelo.- fiz um muxoxo ao responder com tédio na voz.






Vovô,parou subitamente de fazer o que estava fazendo,e me olhou preocupado.






-Pesadelo? – sua pergunta foi incrédula.- Não parece que foi só pesadelo.Sua cara está péssima. Assenti e disse...


-É...ganhei um pouco de enxaqueca. – respondi






-hum...deixe me ver.- disse Charlie colocando a mão na minha testa.- É...parece meia com febre.






-Não...Não estou.Estou quente porque cardei quase agora,e...levantei vindo direto para cozinha- desviei da possível tentativa de ser entupida de analgésicos.






-Pode ser,mas ainda está com dor de cabeça...?Coma alguma coisa,e tome um remédio...Acho...- disse ele olhando como se tivesse procurando algo,e tentando lembrar de algo.- Acho que Sue colocou a caixa de remédios no banheiro do segundo andar.






A preocupação de Charlie,me fez sorrir...Eu sei que sempre tive a preocupação de toda a família,e quando eu dizia que estava sentindo algo,todos já estavam ao meu pé,perguntando o que eu estava sentindo,ou se era melhor chamar Carlisles para me examinar.E isso me dava agonia,mas com Charlie,era diferente...Era algo natural,e não exagerado.Com ele eu sabia que iria ser tratada com mimo,mas se ele tivesse que me negar algo,ele negaria.E o pior era que mesmo ele me negando ,me sentiria feliz,pois ele não estaria me tratando com se eu fosse uma boneca frágil,e sim alguém de carne e osso.






-Vovô.Não preciso de remédio.A dor já está passando...É só um pouco de mau humor,por não conseguir dormi direito. – disse pegando em sua mão,e abrindo um sorriso.E pela sua expressão,consegui tranqüilizá-lo.






-Tem certeza?Olha eu...- começou ele a dizer,mas eu o interrompi.






-Tenho.Já disse que não precisa se preocupar.- sussurrei






Eu não menti.de fato a enxaqueca já estava passando.E era sempre assim...Então não era motivo de pânico.






-Tudo bem.Se você diz.- disse ele se rendendo,e indo até a geladeira.






Ao fechar a geladeira,Charlie voltou a me encarar com cara de preocupado.Eu não cruzei com o seu olhar,mas senti o seu olhar para mim ,enquanto eu olhava para a janela,distraidamente segurando uma faca pequena de cortar pão.Bem não tão distraída.Mas fiz cara de tédio.






Bem por mais que tinha a feira em Port Angeles,e seria animada...,mesmo assim não estava afim .Pensei em até chamar a Anne para me fazer companhia,mas desisti.






Então a voz de Charlie me tirou dos devaneios.






-Então o que você vai fazer? Vai se encontrar com Sue em Port Angeles? – sua pergunta foi meia sondosa.Então deixar a faca cair da minha mão a mesa,e olhei para ele com a mesma expressão entediada.






Mas foi ai que uma idéia veio em mente.E porque não?






-Não eu...não estou afim – sussurrei,e fiz cara de que queria colo.Mas essa atitude era para ele não me negar o que iria pedir. – Mas...eu queria fazer uma coisa. – Charlie me olhou com cara de que dizia “lá vem coisa”,mas não hesitei. – Será que eu poderia ir pescar com o senhor?É que eu nunca pesquei,e...Bom,é claro se não for incomodo para o senhor.- falei a ultima frase me encolhendo.






Charlie me olhou com surpresa ao meu pedido,mas sua expressão mudou,ao assimilar o meu pedido.






-Bom é...só estará Billy e eu.E não acho que seja uma boa diversão para uma jovem como você.- ele disse.Só que tive que tomar uma atitude rápida,antes que ele mesmo fizesse eu desistir.E o que era impossível ele conseguir.






-E porque não seria?Pescar com o meu avô me parece bem divertido...Ainda mais que ele vai me ensinar a pescar.- disse com uma empolgação,evidente e um sorriso dar um bom desfecho na tentativa de convencê-lo.






Vovô sorriu com o meu argumento,e isso significava que hoje eu iria pescar com ele.






-Bom,tudo bem...Me convenceu.- sussurrou balançado a cabeça sorrindo.






Na mesma hora eu me levantei num salto,e fui dando pulinhos de alegria,para abraçá-lo.E por fim dei um beijo em sua bochecha,fazendo ele corar.






-Ai obrigada vovozinho ...lindo...do...meu....coração- disse entre beijos na bochechas deles.






-Tudo bem,tudo bem...- disse ele tentando se desvencilhar do meu ataque de felicidade.- Já chega de beijos.É melhor você subir e se trocar,pois daqui alguns minutos já vamos sair.- disse ele todo vermelho,e todo sem graça.






-Ai não seja estraga prazeres.E além do mais,eu estou feliz que vou passa o dia com o senhor pescando.- me defendi






-Passar o dia com dois velhos turrões,parece mesmo um boa diversão. – disse ele ironicamente,mas antes de eu ter a chance de rebater,ele já veio jogando mais piadinhas.- Mas fazer o que,você parece se divertir até com um cubo de gelo na mão.






Ignorei a sua piada,e me virei para ir ao meu quarto me trocar.Mas antes de passar pela saleira,Charlie começou a falar algo,e eu voltei a olhar para ele.


-Bem...enquanto você se arruma,acho que vou ligar para o Billy avisando que você irá comigo...- vovô hesitou por um segundo,refletindo algo –Olha quer saber!Não vou ligar nada...Vou fazer uma surpresa a ele...E com certeza ele vai adorar te conhecer (N/A:Adora?O velho vai ter quase um treco.kkk).






Sorri...- O senhor quem sabe.- ele assentiu e eu fui para o meu quarto se arrumar.










Tomei um banho rápido,depois de fazer a minha higiene bucal,escovei o cabelo fazendo um rabo de cavalo e deixando um pouco da franja caído de lado.Vestida com um calça jeans,uma blusa regata,e um casaquinho fino preto por cima,e tênis.Embora o dia estava bom,e com um sol a pino ,mas não dei uma de louca...É claro que peguei um casaco mais grosso caso mais tarde esfriasse.






Quando desci,já quase no terceiro grito de Charlie avisando que estava pronto.Encontrei ele vestindo um casaco.






-Já estou pronta.Podemos ir. – disse depois de dar um pulo faltando dois degraus para descer.






Charlie riu da minha atitude infantil,ao pular a escada.






-Acho melhor você pegar uma maçã.Já que não irá tomar café.- sugeriu ele






-Não...eu não estou com fome.E o senhor já está levando um monte de comida,para um batalhão.






-Não me culpe...E mesmo assim é preciso;já que ficaremos o dia todo no lago. – dei de ombros,e fui em direção a porta.






********************************************






No caminha a La Push,foi tranqüilo.E vovô continuou a insistir que seria chato ficar o dia todo com ele e seu amigo Billy .Mas ele parou de drama no momento em que fiz um relatório em ordem alfabética dizendo o porque seria divertido...






Dado por vencido e convencido,ele parou com o seu monologo,de que “não sou uma boa companhia”.Mas a conversa não ficou por ai,pois ficamos conversando e Charlie ficou rindo das minha piadas de mau gosto que tio Emmt me ensinou escondidas da minha mãe. Tio Emmt!Apesar de fazer parte do grupo “Vamos fazer Renesmme infeliz”,eu sinto sua falta,dos seus abraços de urso,das piadas fora de hora,de seu animo por ação,e de suas caras e bocas quando tia Rose mandava ele pastar.






Então a saudade foi desvencilhada,no momento em que comecei a ver as casas da reserva,simples e pequenas,porém bonitas e aconchegantes...






Seguimos uma estrada sem asfalto,até que vovô parou em frente a uma casinha vermelha...


Ao sai do carro,não olhei direto para a casa,observei cada detalhes da paisagem que havia em volta.Respirei profundamente o ar puro,e naquele momento senti que aquele lugar fazia parte de mim.estranho eu sentir isso,mas ali tinha um ara de conforto,de lar...Mas isso era nada comparado ao fato da sensação de que iria encontrar algo ali...De que ia encontrar as resposta para todas as minhas duvidas.Céu!Acho que estou ficando louca.






Então uma voz grava me tirou dos pensamentos.






-Está atrasado Charlie...E cheguei apensar que foi arrebatado por esses caminhos. – zombou ,com certeza o Billy.Amigo do vovô.






Eu olhei em sua direção,mas ele parece que ainda não tinha me visto.






-Ah para de reclamar como se fosse adolescente esperando o namorado.E já estou aqui pro seu governo. – rebateu Charlie,e eu ri com o seu comentário.- Ah Billy!Deixa eu te apresentar a filha da Bella...Ela estava sozinha em casa então trouxe ela para pescar conosco.Você se importa.






Quando o vovô falou de mim para Billy,ele olhou para mim com surpresa.Não,não era só surpresa,mas parecia um misto pânico,com incredulidade...Sei lá!Se eu não visse que ele estava bem sentado na sua cadeira de roda.Podia Jurar que ele iria cair duro no chão.






Quando pensei que o meu sorriso,iria se tornar em choro,Billy forçou um sorriso amarelo para mim.Então com educação fui cumprimentá-lo.






-Olá! Renesmee – sussurrei sorrindo timidamente. – espero não atrapalhar a pesaria de vocês.






Billy ao segurar a minha mão,e ao sentir o meu toque,parecia que seu corpo inrrijesseu .Mas ao mesmo tempo,seu corpo relaxou.






-Não.Não vai atrapalhar nada...Só quero saber se você vai conseguir aturar esses dois velhos decrépitos.






-Quem você está chamando de velho?- exclamou Charlie.- Só se for você;pois eu estou na flor da juventude.






-Uma flor no fim da primavera.Seca,opaca e murcha.- rebateu Billy com humor,mas em seus olhos havia cautela.Mas ignorei e continuei a rir,com a implicância dos dois.






É serio!Se fosse para eles ficarem com essas implicância,isso significava que hoje eu iria ter que me dopar de remédio para cólicas,porque iria sofrer de tanta dor por ficar rindo o dia todos com os achaques de velho de Billy e meu avô.










-Bom acho melhor para de conversa,e irmos logo pescar. – sugeriu vovô.- Ah...Billy...tem alguma coisa sua para levar,além da vara de pescar e as iscas?- disse ele com a vara de pescar de Billy e um balde de isca na outra mão.






-Se está pensando que eu vou acabar com a sua cerveja seu mão de vaca,está muito enganado.Aqui...hurm...pegue! – disse Billy pegando um bolsa térmica,e entregando para Charlie,mas antes que o meu avô pegasse,eu eu peguei em seu lugar.






-Obrigado.- disse Billy ao ver a minha gentileza.






-Que nada.E eu também estou aqui para pescar,e isso inclui que devo ajudar também. – Billy assentiu,e seu olhar era tão cauteloso,que me dava vontade de perguntar porque ele estava me olhando daquele jeito,me fazendo sentir uma intrusa,alguém que não era bem vinda ali.Mas ao mesmo ele tentava ser educado,então me fingi de desentendida,e dei de ombro.






-Ah...Renesmee.Me de essa bolsa aqui.E ajuda Billy ir até o carro.- pediu Charlie






-Não precisa Charlie.Eu preciso primeiro fazer uma ligação – disse Billy






Charlie bufou.






-Depois diz que sou eu que atraso.- murmurou vovô.






Billy não disse nada,retrucando o que vovô disse.E deu a volta com sua cadeira,entrando outra vez na casa.






Então,Charlie e eu fomos guarda as coisas de Billy no carro.






Enquanto,Billy falava ao telefone dentro de casa,Charlie estava encostado no seu carro com a porta aberta,enquanto eu estava sentada no carona.






Tentei escutar o que Billy estava falando ao telefone.Eu sei,eu sei!Falta de educação escutar a conversa dos outros.Mas ele estava sussurrando tão baixo,que não dava para entender.Embora eu escutar muito bem a distancia,desta vez não consegui.Isso porque Charlie estava murmurando palavras initeligiveis,que me fizeram rir.






Então,Billy saiu de casa,e Charlie já foi jogando o seu sarcasmo encima dele.






-Oh graças a deus!Já estava quase indo sem você...Ai você teria que levantar de sua cadeira e ir correndo com ela nas costas.- disse vovô






-há,há...Vai sonhando Charlie.E cala a boca que já estou aqui.










******************************************************


O dia passou rápido.E eu juro,foi o melhor dia que passei em toda minha vida.


Apesar da burradas que fiz ao tentar pegar um peixe,e quase feito o meu avô cai na água.Foi perfeito.






E toda hora sempre havia discursões entre Charlie e Billy,segundo eles coisa de velhos rabugento.Se não fosse alguém necessitada de seus instintos humanos,eu teria mijado de tanto rir.






E mesmo com a descontração,eu percebia os olhares de Billy como se esperava algo de mim...E só pude entender a sua atitude,no momento em que Charlie cortou o seu dedo com a ponta do anzol.






O corte era pequeno,mas sangrou bastante...Sorte,era que Charlie sempre andava com a maleta de primeiros socorros casa alguém se machucasse.






Certo.Ele pensou que eu iria atacar o meu avô por causa do sangue...Era obvio.Billy sabia que eu era meia vampira,e como Sue ele pensou que eu era do tipo que sinto cheiro e quero experimentar.Mas não.Charlie tinha um cheiro bom,mas ele era o meu avô,e eu o amava.E eu não era uma vampira que atacava a toa por sangue...






A essa altura ,eu já resistia muito bem ao sangue humano.E para mim poderiam até colocar um humano de amarrado pelos pés jorrando sangue por todo o seu corpo,que eu não iria atacá-lo.Mas se eu tivesse no auge da sede,ai não prometeria nada.E no meu caso agora,eu estava tranqüila,pois ontem antes de chegar em casa,eu cacei dois leões da montanha bem gordos e suculentos...






Então,peguei uma garrafa d’água,e joguei um pouca d’água no dedo machucado de Charlie...,Billy observava o que eu fazia com incredulidade,mas ignorei os seus olhares...E em seguida abri a maleta de primeiro socorros,pegando anticéptico e jogando no corte.






-Ai! – reclamou vovô.






-Não seja frouxo.mulheres põe uma criança no mundo,que já é uma dor insuportável...E isso é só um corte;e tem que desinfetar. – eu o repreendi.






-Fala isso porque não é você.- rebateu ele.- E de onde você sabe dessas coisa de mulher dando a luz?






Olhei por um instante para ele com cara de “tenha dó”,e disse.






-Vovô...o senhor acha que no século 21,todos tem que acreditar em cegonhas?Os bebês tem que sair de algum lugar,e a aula de biologia já diz tudo.- falei






-Essas escolas tem que ser processadas por ensinar estás coisas a esses adolescente de hoje.- murmurou Charlie.






-É ciência humana.Anatomia . E faz parte da matéria...Então não tem que dar chilique por explicarem como os bebês nascem. – zombei.






-Para mim isso é incentivo ao pecado.- bufei com as palavras de Charlies






-Ser desmiolado,e sem juízo,faz parte da natureza humana,e isso não significa que todos tem que sair por ai entregando sua pureza,por te sedo influenciado pela aula de anatomia. – rebati






-Não esquenta não Renesmee.Seu avô é do tempo da pedra.- disse Billy pela primeira vez.






Olhei para ele,e sorri ao ver que ele não tinha mais aquele olhar cauteloso e incrédulo,e no lugar daquele olhar estranho havia um sorriso de cumplicidade e apoio.






Charlie bufou pelas palavras de Billy e disse:






-Posso até ser,mas espero que você micinha,seja da lista dos ajuizado.- disse vovô com tom de alerta.






-Pode deixar vovô,eu pretendo curtir muita coisa da minha juventude,antes de parecer com a noticia de que estou grávida.-disse.






Vovô me olhou com uma expressão tão engraçada,que tanto Billy e eu,rimos de sua cara






Depois que acabei com o curativo do vovô,continuamos a pescar...


E por incrível que pareça,consegui pescar um peixe enorme.Mas tive que colocá-lo de volta no lago.Pois Charlie disse que aquela espécie é rara...Só que antes de jogá-lo no lago,tirei uma foto com ele nas mão.Para depois mandar por email para o papai e mamãe,pois prometi para eles que se fizesse algo diferente,mandaria uma foto para ele guardarem de recordação.


E a outra foto seria para ficar no porta retrato da parede da sala de estar do vovô...






A pescaria foi boa,e no final havíamos pegado bastantes peixes bem graúdos.E ai tive uma idéia.


Como iríamos direto para casa de Billy depois da pesca.Porque mesmo que fossemos para casa,Sue não estaria nos esperando para o jantar.E Billy não tinha ninguém para fazer o jantar dele...






-Já que a pescaria foi tão boa.Porque não preparamos um desse peixes para comemorar ?- sugeri.Vovô tinha a expressão de que era uma boa idéia,Billy parecia hesitar.






-E ai Billy?O que você acha.- mas antes de Billy responder vovô continuou a falar.- Mas Renesmee como vamos preparar o peixe se eu sou péssimo na cozinha,e Billy..






-Eu é claro.- respondi como se fosse obvio.






-Onde você aprendeu a cozinhar?- perguntou Charlie incrédulo.






-Papai me ensinou.E ele sabe cozinhar muito bem.- disse com orgulho.Charlie fez cara de surpresa.






-Certo...mas Renesmee...acho que Billy não dispõe de ingredientes sofisticados que tem em sua casa. – disse Charlie.






Bufei.- Desde quando,sal,alho,cuminho,são temperos sofisticado? – disse sarcasticamente.- Assim o senhor ofende o Billy,dizendo que a casa dele é tão pobre que não tem temperos simples?






-Onde você tirou essa idéia.E não foi isso que eu quis dizer.- disse Charlie todo sem graça,e tentando se defender.






-Billy sua casa tem esse temperos não tem?- disse virando para olhar diretamente para Billy,que tinha uma expressão meia desconfortável.E cheguei até pensar que ele iria dize que não tinha,mas ao invés de negar,ele só assentiu um sim.






-Viu?- disse olhando para o meu avô.Charlie fez cara de vencido e disse;






-Tá você venceu...Billy há algum problema de fazer hoje esse jantar.- perguntou Charlie.






Billy tinha uma expressão pensativa,mas respondeu.






-Não ...não há.Vamos ver se sua neta cozinha bem. – ele disse e deu um sorriso amarelo.


*************************************






Quando tudo estava decidido,fomos para casa de Billy.Lá ele me mostrou onde ficava as panelas,travessa,e condimentos para temperar o peixe.






Quando tudo estava preparado,coloquei tido na pequena mesa de sua cozinha.Bom!Não teve mistério.Fiz arroz,salada,um pouco de molho,e o peixe assado.






Vovô repetiu duas vezes,lambendo os dedos;Billy no começo paracia que estava com medo de ter posto veneno,e se conteve na quantidade de comida em seu prato,mas depois de duas garfadas,ele se rendeu como o vovô...,repetindo duas vezes.






Quando todos estavam satisfeito,comecei a recolher os pratos.






-Deixe isso ai menina.Não precisa lavar a louça...é um abuso eu deixar você fazer isso depois de ter preparado o jantar- disse Billy






-Eu não me importo.E além do mais,só irei lavar os pratos,pois eu lavei as coisas que sujei enquanto a comida cozinhava. – isisti






-Billy acho melhor você deixar ela fazer...e já teve prova da insistência dela.- brincou Charlie,mas falava a verdade.Billy percebeu que não adiantaria me convencer,então se deu por vencido.






-Tudo bem.- sussurrou ele.






Então ele e vovô,foram para sala assistir um jogo,enquanto eu acabava de lavar a louça.E assim que acabasse,vovô e eu iríamos embora,pois segundo ele eu tinha que descansar para ir a escola amanhã.






E realmente eu precisava descansar,pois já estava começando sentir os sinais de cansaço,pela noite mau dormida.










Quando terminei de secar de lavar tudo,secar e guardar.E certificar que não havia nenhuma louça suja,sequei a minha mão deixando o pano de prati estendido encima da mesa...E fui para sala.










Mas quando cheguei a sala,me deparei com algo,que não havia reparado quando entrei.Charlie e Billy não estavam na sala...E pela janela pude ver Charlie guardando alguma coisa no carro.Mas os meus olhos não se prenderam na imagem do meu avô,e sim em outra imagem.






Perto da TV,tinha uma mesa cheia de porta retratos...Mas foi só uma única foto,que me fez sem hesitar ir até a mesa e pegá-la.






Sim uma foto...E não era uma simples foto...pois aquela foto continha a imagem daquele cuja a imagem invade os meus sonhos,desde pequena...E que vozes sussurram o seu nome.






Sim era ele.E estava tão bonito quanto a foto onde eu vi na caixa de recordações da mamãe.Tão bonito quanto a imagem dos meus sonhos que não fazem justiça a sua beleza...Mas esta foto,tem suas diferenças,pois ele parece um pouco mais maduro.E o seu sorriso não parece tão alegre.Mesmo assim continua lindo...


Estava tão admirada,que não percebi os meus lábios sorrir.E mesmo quando a voz grave de Billy ressonou quebrando o silêncio,não consegui tirar os olhos daquela imagem.






-É meu filho Jacob. – disse Billy.






“Filho?Quer dizer,que ele deve morar aqui!”- pensei






-Ele mora aqui com o senhor?- sussurrei.






Billy não respondeu imediatamente,parecia que estava ponderando antes de responder.E mesmo percebendo isso continuei olhando para a foto.






-Na verdade...Ele não mora comigo,mas as vezes dorme aqui em casa.- sua resposta parecia editada,mas foi o suficiente para olhá-lo.






-Ele é casado?- perguntei sem hesitar.






“Nossa Renesmee...que pergunta é essa?Mas o problema não é a pergunta e sim a sua cara deve está,porque Billy está com uma cara de que não está entendendo nada...Merda!Porque essa idéia de saber que ele é casado me importa?Não.não é que me importa,é que me incomoda!Céus!você não o conhece e está com ciúmes!Tá louca garota?”-pensei






Claro que eu tinha que está sentindo,porque tive varias noites com os meus sonhos sendo invadidos pela imagem dele,por uma voz sussurrando o seu nome...,que me fez pensar que ele pertencia a mim.E o pior que eu continuo a sentir.






-Não.ele não é casado.Só é independente...é mora sozinho.Sabe como é a juventude de hoje...- disse ele dando um sorriso,reconfortante,porém estranho.






-Vou ter a chance de conhecê-lo um dia?- Billy voltou a expressão ponderável,mas respondeu logo com um sorriso amarelo.






-Quem sabe.- foi tudo o que ele disse.






“Quem sabe! Sua resposta soou estranho.Pois parecia que ele não cogitava essa oportunidade de poder conhecer seu filho...Tinha algo no tom de voz de Billy,que parecia semelhante a minha família quando falavam escondido sobre o Jacob,como se temesse pela possibilidade de conhecê-lo...Como se ele pudesse fazer algum mau para mim.Algo me dizia que ele não faria.Assenti para Billy com um sorriso amarelo.






-Renesmee já está tudo no carro,podemos ir?- disse vovô ao entrar na sala.


E imediatamente,coloquei o porta retrato no lugar,e virei para ele sorrindo e assenti.


Depois que Billy agradeceu o jantar que eu fiz,e elogiou a minha comida,nos despedimos.Entramos no carro do vovô...E enquanto vovô manobrava o carro,eu pude perceber ao olhar pelo retrovisor,que Billy suspirou aliviado,como se tivesse se livrado de um fardo...Devo dizer...como se ele temesse alguma coisa ruim acontecesse enquanto nós estávamos em sua casa,e que a nossa partida,foi um alivio...






Durante a viagem e volta,nem eu nem o vovô falamos nada...Estava tão cansada,que acabei cochilando assim que o carro saiu da estrada de areia da reserva...Fazendo com que a imagem de alivio de Billy que me intrigou se perder.Mas a imagem de seu filho ficou preso nas paredes do meu cérebro.Eu sentia como se ele estivesse ali comigo.E seu calor me aquecia,mas do nada,sua linda imagem foi substituída por olhos de uma fera.De uma forma bizarra,aquela fera me aquecia com ele,como também não me fazia temer...Seus olhos inteligentes,sua expressão humana me facínava;mas num piscar de olhos,a fera abriu um parecido sorriso,expondo os seus dentes,de forma medonha,mas quando se aproximou de mim,maliciosamente e ficou só poucos centímetros distante de um a ponto de sentis seu hálito em meu rosto;a imagem voltou a muda.Pois não era mais a fera que estava a minha frente,e sim Jacob Black.






Quando dei por mim,acordei com aquela imagem em minha mente.E percebi que não estava dentro do carro do meu avô com ele,e sim dentro do meu quarto,deitada em minha cama.Respirei fundo,e decidi que deveria tomar um banho,pois fiquei o dia todo na rua e precisava de um bom banho para relaxar,e voltar a sonhar com enigmático Jacob.Enigmático? Sim.Pois eu queria mais que tudo entender a extensão de meus sonhos com ele...,e porque agora os mesmos sonhos de sempre resolveram tomar um rumo diferente,fazendo a minha mente ficar mais confusa do que sempre esteve.






Peguei uma camisola de algodão,calcinha e fui para o banheiro.Tentando não fazer barulho,passei pelo curto corredor,entrando no banheiro e fechando a porta sem emitir algum som. Escutei uns murmúrios vindo do andar de baixo,mas ignorei sem usar a minha super audição...e só me concentrando no banho,e no meu sonhos...






Depois de fazer a minha higiene,e está vestida,fui para o meu quarto,e fechei a porta sem fazer barulho,e corri direto para cama,me envolvendo nas cobertas.Como ainda estava muito exausta,acabei dormindo rápido...






*************************************************






POV: Billy






“Charlie está demorando.Geralmente ele é pontual”- pensei






Todo já estava preparado para eu ir pesca...É pescar! Pelo menos hoje seria um dia para eu relaxar um pouco.


Desde semana passada quando voltava da casa da casa do valho Quil com Rachel,e me deparo com a minha casa de portas aberta...E tudo varia alternativas passava em minha cabeça,para ter a resposta da porta da minha humilde casa estava aberta.Tudo passou,mas o fato de que ela foi aberta pelo meu filho pródigo,essa nem passou de perto.






Mas quando me deparei com ele saindo de dentro da casa,sorrindo e dizendo que veio para ficar,eu senti o chão tremer.Céus!O que eu fiz de errado? Meu filho vai embora,largando tudo e todos,em busca de vingança...E quando sua busca acaba,ele resolve não voltar.E mesmo que ele viesse visitar,nunca passava de um dia aqui com o seu velho pai...,e voltava no mesmo dia.E justo agora que ele resolve refazer sua vida,seguir seu rumo ao lado de sua família e amigos,tinha que ser justamente quando o alvo de sua vingança resolve vir morar aqui em Forks.






Bem...com a Judá dede todos cooperando em manter segredo da mestiça está na cidade,ele não soube de nada,mas vai sabe lá o dia em que descobrir.”Deus!Eu não quero está por perto.E só o que te peço,e que coloque juízo na cabeça do meu filho,e que ele supera a sua dor,e deixa a menina em paz.Para o seu próprio bem.”






Por sorte,ele não foi aos a redores de Forks,pois é visível que ele não quer passar por onde tem algo que recorde de Bella.Bem...Embora aqui na reserva tem vários lugares que o fazem recordar,mas pelo que eu vejo,ele quer começar aos pouco,e isso eu entendo.






Então,uma buzina tocar.E eu conheço de quem seja.Charlie.






Sai pela porta que já estava aberta,e encontrei Charlie,tão alegre quanto já o vi.E foi ai que eu percebi o seu entusiasmo.






Nesse momento senti que a terra iria ceder embaixo de mim.


“Deus se eu pequei contra ti,me perdoe”






Ela estava ali,a mestiça,a filha de Bella com o Cullen.






Charlie trouxe ela para pescar com a gente,e perguntou se havia algum problema se ela nos acompanhar...Eu estava tão inlúcido,e sem noção que acabei dizendo que não havia problema.Mas havia problema sim.Ela era uma Cullem e não podia vir em nossas terra.Mas porque será que Sue permitiu que ela viesse?Mas é claro...Sue não estaria em casa hoje,segundo o próprio Charlie,ela estaria em Port Angeles.E ela não deve fazer a mínima idéia que Charlie trouxe a menina aqui.










Aparentemente ela era uma menina muito bonita,tinha os olhos da mãe quando era humana,e os cabelos da cor do pai. Quando ela veio me cumprimentar toda sorridente,não pude ser mau educado.E como a própria Sue disse,ela era como se fosse humana,e sua temperatura era quente.Se ela fosse uma quileute poderia jurar que ela estava perto de se tornar uma loba.






Depois de algumas retrucadas entre Charlie e eu,Fui agir logo.E como não podia expulsar a menina da reserva e correr o risco de perder um amigo.Disse a Charlie que tinha que fazer uma ligação.Com resmungo ele assentiu.










Peguei o telefone,e liguei para casa de Emili,e no terceiro toque a própria atendeu.






-Alô?- disse Emily






-Alô Emili.É o Billy.Sam está ai?






-Ah...sim que eu vou chamá-lo...






- Ah Emili...não cita o meu nome caso Jacob esteja ai,por favor.- sussurrei.






-Sim claro.- ela disse,e pela sua voz vi que ele entendeu o meu perido.






Em meio segundo,Sam falou.






-Alô. – disse Sam






-AlÔ Sam.Olha se o Jacob esta ai não responda abertamente.Só diz Sim ou Não.OK.






-Sim – respondeu Sam






-Olha temos um problema.Charlie veio me buscar para irmos pescar...e ele trouxe a menina.a mestiça filha de Bella com o Vampiro.






Mesmo pelo telefone senti a tenção de Sam.






-Sam por favor se controle-se.E não deixa o Jacob perceber,se ele descobrir acho que vai ter uma desgraça...






-Sim. – responde Sam






-Olha eu estou num mato sem cachorro,e não posso expulsar a garota daqui.Então por um lado,vamos ficar fora dos arredores de La Push.Mas a tarde,eu não sei se Charlie vai ficar mais um pouco antes de ir pra casa.Como ele sempre faz nas outras vezes...E se caso ficar...Quero ter certeza que Jack não ponha os pés antes que Charlie esteja longe da reserva com sua neta.Se encarregue de falar com os garotos,caso algum deles vêem a garota,e conte para o meu filho.Vamos pelo menos tentar acalmar a poeira antes que essa bomba exploda.- pedi


-Pode deixar e fica tranqüilo.-disse Sam.






Depois que desliguei o telefone,fechei a casa,e fui em direção do carro de Charlie....






O dia foi até que tranqüilo.A menina parecia dócil...Mas na hora em que Charlie cortou o seu dedo com anzol,pensei que ali seria o fim.Mas para eu morder a minha própria língua e quebra a cara,a garota ágil como um ser humana normal.


Cuidou da ferida do avô sem mostrar que tinha algum desejo por beber seu sangue.foi ai que me senti mais aliviado.Ela só faltava rolar de rir das discursões entre seu avô e eu.E até pegou um Barracuda..que se é raro por estas banda.Mas ele colocou de volta no lago depois que tirou umas fotos com o seu troféu.






No final do dia quando tinha esperança de que tudo iria dar certo.Ela tem uma idéia,que no final fui obrigado a aceitar.Pois ela estava tão empolgada,que fiquei com pena de Negá-la.






Em casa ela preparou uma comida que segundo ele,seu pai que a ensinou.No inicio fiquei meio cabrero,mas quando coloquei a sua comia na boca,Jesus do céu,não tive como encher o prato e chegar a ponto de repetir.






Quando todos estavam satisfeitos,ela começou a recolher os pratos na intenção de lavá-las.Tentei fazer com que desistisse,mas ela como antes conseguiu me convencer.E isso me fez perceber que ela era muito encantadora,educada,humanamente sensata.E era difícil olhá-la como inimigo.










Charlie e eu ficamos vendo televisão enquanto Renesmee estava terminando de lavar a louça.Até que Charlie resolve arrumar as coisa em seu carro,para quando Renesmee “Mas que nome cumprido”-pensei...,acabasse de lavar a louça,ele fossem.






Enquanto Charlie estava lá fora,fui pegar um livro que estava em meu quarto.E quando voltei para sala.Encontrei Renesmee encarando a foto de Jacob em suas mão.Estranhamente,parecia que seus olhos brilhava ao admirar a foto.Como se tivesse acabado de ter um imprinting,mas não.Parecia mais forte que um imprinting.






Então uma coisa veio em mente...Será que ela conhece ele?Não,não...Será que sua mãe falou dele para ela?Também não...Como a Sue já via dito,os Cullen nunca pronunciou o nome dele perto dela.E Seth confirmou isso também.Mas ele dizia que Renesmee era muito esperta,e que talvez sabia de alguma coisa ou desconfiava...Mas nunca havia perguntado para ele.






Quando eu anunciei que ele era o meu filho seu olhos brilharam mais ainda.Por um instante tive que pondera,pois ela começou a encher de pergunta,e eu não sabia o que eu poderia dize,então resolvi editar,um meia verdade...


Mas quando ela perguntou se ele era casado...Céus!Sua expressão era como se sofresse se isso fosse verdade.E quando disse que não,ele mudou a sua expressão para o alivio...E sua atitude me deixou confuso,pois não estava entendendo,era nada. E no momento em que ela perguntou se iria conhecê-lo sua pergunta me deu calafrio.Mas respondi,sem dar esperança,pois sabe Deus o que poderia acontecer se esses dois se encontrasse...






Assim que Charlie entrou,ela colocou a foto de Jacob no lugar que estava.E em seguida,foram embora.






Quando o carro de Charlie partiu,pude respirar aliviado.E por um segundo tive um deslumbre de Renesmee,me olhando pelo retrovisor,e percebendo o meu alivio...






Mas quando o carro sumiu.Entrei fechando a porta e rolando a minha fiel escudeira cadeira de roda em direção ao meu quarto.Pois tinha intenção de ler um pouco,mas com tudo o que aconteceu,me sentia esgotado.E daqui a pouco Jacob chegaria,e com certeza ele sentiria o cheiro de Renesmee,e por um alivio,ele não saberia de quem era o cheiro...Mas ele chegando em casa,e me vendo dormir,não iria me acordar para fazer perguntas de quem esteve em casa de diferente.Assim só teria que enfrentar suas perguntas,pela manhã.Mas lá já teria uma boa desculpa.






Mas como diabos hoje era o dia do azar,o que mais temia aconteceu.






A porta da sala foi aberta num rompante,que poderia fazer a casa vir abaixo...






Jacob,entrou com uma com uma expressão assassina,e quando seus olhos fuzilaram os meus, explodiu acusações incoerentes. “Deus me ajude!A casa caiu”.










*****************************************************






POV:Jacob










O dia hoje parecia estranho,primeiro do nada Sam me chama para ajudá-lo numa busca de um rastro,que não encontramos.Chegamos ir até o final do Canadá...E quando chegamos lá,já pensando que iria para casa descansar aproveitando que meu pai iria ficar o dia todo pescando com Charlie,Emili incumbi Sam e eu de ajudá-la a fazer uma faxina na casa,com a desculpa de não poder se esforça muito para não prejudicar o bebê.AH!E a propósito essa é uma novidade,pois ela está grávida...E fora que começou a jogar na nossa cara que era uma obrigação em ajudá-la,pois todos vamos para lá bagunçar a casa e filar de sua comida,e sem ela cobrar nada.Então essa era hora de cobrar.






E sem alternativa,fomos a mãos a obra...No final,já quase começando a escurecer,Emili me convence de ficar para o jantar...Olha eu aquela hora estava morto de cansado...,eu só queria um bom banho,e minha cama.Mas quando ela falou o que teria pro jantar,o cansaço sumiu;pois ela fez carne assada.E eu adoro carne assada.






Como sempre todos estavam lá para filar o jantar,quer dizer,menos os garotos que estavam na ronda,exceto Quil,que foi em casa e depois viria.






A comida com sempre estava ótima...E a zuação dessa vez caiu em cima de Jared,pois Kim o flago ele usando suas mãos,ao invés de aproveitar a mulher que tem...E isso deu o motivo para Kim por ele para dormi no sofá .






Então,no meio da zuera,levantei me para ir ao banheiro...Fiz o que tinha o que fazer,mas quando estava lavando as mãos,escutei a voz de Quil sobre saltar onde estavam todos rindo das piada.






“Ah ta...vai zuando seu bobão.AH! Ai! Vocês não sabe quem eu vi hoje sedo aquela garota...a mestiça...filha da Bella com o sanguessuga.Estavam lindo para casa do Billy. Gente...fala serio,a garota até que é gostosinha...”






Ao ouvir as palavras de Quil,sentir a tenção de todos que estavam naquele sala,fez me entender porque de tanto empenho de me manterem aqui.


Aquela aberração estava na cidade.Invadiu as nossas terras,e ninguém fez nada!


E pior!O meu pai deixou que entrasse em nossa casa.






Num rompante só,abri a porta do banheiro com tanta força que fiz Quil se interromper nas suas palavras.Todos estavam com uma expressão apreenciva,uns querendo arrancar a lígua de Quil,e outros com a cara de “Fudeu agora!”.






Quil tinha os olhos arregalados,por me ver,e perceber que falou de mais.






-Ja-Jack...é...voc..- ele gaguejou.






-O que você acabou de dizer? Repita! – falei entre dentes com a fúria emanado todo o meu corpo.Eu sentia tremores com ele,mas estava controlado,e não iria me transformar ali.






As minhas palavras de ordem ,fez Quil se encolher.Obvio,eu era uma Alfa...,e as ordens de um Alfa tem que ser obedecidas.Mas eu não tinha por hora uma matilha,mas Quil,Embry já tinham se declarado que estariam do meu lado casa eu me decidisse a ser líder deles.Seth e Leah já eram,e então...






E foi por Quil querer fazer parte da minha matilha,e sei lá porque havia o aceitado,isso foi o suficiente para eu ser o seu alfa.






Encolhido nas amarras,como uma marionete,ele me obedeceu.






-Eu...disse que...a...a...filha de Bella com o sanguessuga...estava com o Charlie na reserva indo para sua casa com o seu PA...- não deixei ele terminar.






Fui em direção a porta,com um único intuito.Sam tentou me impedir...






-Jacob onde você vai?Não faça besteira irmão...- disse Sam num tom de desespero,mas com um tom dual de Alfa.Só que agora e sempre,suas ordens não surtiriam efeito em mim,pois eu era o verdadeiro Alfa por direito.Estava no meu sangue.






-Cude de sua vida.E ai de quem vier atrás de mim para impedir.Por que suas batatas já torraram só pelo fato de terem me engado o dia todo...E o pior deixaram um Cullen invadir nossas terras. – cuspi cada palavras com acidez,e virei as costa para todos.






Tudo o que eu sei,foi que arranquei a minha bermuda do corpo,e não me di ao trabalho de amarrar no tornozelo.Puxei o fogo pela minha coluna...Não.Não puxei...pois já faz tempo que é só eu querer que que em milésimos já estou sobre quatro patas.






Corri com toda a velocidade...E quando estava próximo de casa,senti o seu cheiro.Era doce misturado com perfume de rosas,totalmente humano.Seu cheiro não era enjuativo igual a de vampiro,mas o ódio que sentia fez inibir a razão em minha mente.






Eu odiava aquela coisa com toda a minhas forças.E queria profundamente arrancar a cabeça daquela aberração.






Entrei em casa abrindo a porta sem me preocupar se ela ou quem estivesse junto,achasse que estava sendo encoviniente.Mas só encontrei o olhar de agora Deus daí me forças. Traidos!Não messei palavras






-Onde esta aquele demônio? – exigi tão alto que parecia que a casa tremeu.






-Jack filho...Ela não está...já foi embora...Olha deixe ela em...- disse Billy.E eu o interrompi.






-Em paz! Não.eu não a deixarei.- explodi com fúria- E você em pai...?Lider dessa bosta de reserva,sabes as regras,tudo! E deixa aquela coisa vir aqui,se sentar no sofá como se fosse um visita comum?






-Jacob.Foi uma surpresa também para mim,e eu não imaginava que ela iria aparecer com Charlie aqui em casa.- explicou ele.- Olha folho,ele não parece ser perigosa...E deixa essa garota em paz.Ela está sob a guarda de Charlie.E se você fazer algo com essa jovem,a culpa cairá toda no Charlie.






-Eu to me lixando de quem é a culpa. – faleu entre dentes


Sai deixando o meu pai falando sozinho.






Quando,estava vindo para casa,algo veio em mente.Se ela estava em Forks significava que talvez os Cullen tivessem voltado,Mas segundo as palavras de meu pai,ela estava sob a guarda de Charlie.Então significa que ela está sozinha na cidade.E Nenhum Cullen faz idéia de que eu voltei.Claro!A baixinha vidente não pode me ver.Então nunca vão saber que estou de volta.A não ser que o linguarudo do Seth,fale algo para eles.






Então eu teria que agir rápido.






Não sei porque,quando dei por mim,já estava enfrente a casa de Charlie.O cheiro dela estava empreguinando o ambiente.


Olhei para a janela onde era o antigo quanto de Bella,pois onde sei...Charlie reformou a casa,mas mantinha o quarto de Bella.Obviamente era ali o quarto do monstrinho.






E para confirmar a minha certeza,escutei um som vindo daquele quarto.Um som de alguém que acabara de acordar ofegante.Pesadelo?Seria bom que fosse,em vê-la própria queimando no inferno.






Uma luz de abajur se acendeu.Uma sombra dançava pelo quarto.O ódio começou a fazer meus pensamentos ficarem incoerente,mas eu não podia fazer nada agora.


Pois um a coisa o meu pai estava certo.Ela estava sob a guarda do Charlie,então teria que agir de forma que desse entender que fiu eu que fiz.dai todos os Imundos dos Cullen iria quere se vingar,e eu estaria de braços abertos as esperando.E se morresse,morreria feliz,pois os meus objetivos foram cumpridos.










Então fui correndo,bosque a dentro...Quando estava um boa distância,senti a mente de Sam chamar a minha Atenção.






“Jack.Onde você está?”- Sam


“Fica tranqüilo Sam.Não fiz nada que manchará a honra do nosso povo.”- disse com sarcamos,porém era verdade;por hora.”






“Olha Sam eu preciso de um favor. Vá até o meu pai ou mande alguém dizer a ele,que não fiz nada de errado.E que não voltarei para dormir está noite,mas amanhã estarei de volta.”






“Jacob...não pretende ir embora outra vez?” – disse Sam






“Não.Eu não pretendo.Quando disse que voltei pra ficar,eu disse a verdade.Eu só quero um tempo para pensar,e esfriar a cabeça”.






“Tudo bem.Te cuida”






Então os pensamentos de Sam sumiram.






E agora eu teria tempo de pensar algo eficaz...Por mais que eu parei de procurá-la para matá-la,eu nunca desisti.E agora que ela estava próxima,não desistiria;pois só teria que agir com cautela.






E mais que nunca,esperaria ela cruzar o meu caminho...e ai sim.Cumprir a minha própria promessa...










(CONTINUA...)







tradução: Música (Monster - Lady Gaga)







Não me chame de GaGa


Nunca vi um desses antes


Não me olhe desse jeito,


Você me assusta


Ele comeu meu coração


Ele co-co-comeu meu coração


(Seu monstrinho!)


Ele comeu meu coração


Ele co-co-comeu meu coração


(Você me assusta)


Olhe pra ele


Olhe pra mim


Esse garoto é mau


E sinceramente


Ele é um lobo disfarçado


Mas eu não consigo parar de olhar aqueles olhos maus


Eu perguntei a minha namorada se ela já tinha o visto por aí antes


Ela resmungou algo enquanto nós descíamos até o chão, querido


Nós talvez tenhamos transado, não tenho certeza, não lembro bem


Mas algo me diz que eu já o vi, sim


Esse garoto é um monstro


M-M-Monstro


Esse garoto é um monstro


M-M-Monstro


Esse garoto é um monstro


M-M-Monstro


Ele comeu meu coração


(Eu amo aquela garota)


Ele comeu meu coração


(Quero falar com ela, é quente como o inferno)


Ele lambeu seus lábios


Disse pra mim


Garota, você parece boa o bastante pra comer


Colocou seus braços ao meu redor


Disse "Garoto, tire suas patas imediatamente de mim"


Eu perguntei a minha namorada se ela já tinha o visto por aí antes


Ela resmungou algo enquanto nós descíamos até o chão, querido


Nós talvez tenhamos transado, não tenho certeza, não lembro bem


Mas algo me diz que eu já o vi, sim


Esse garoto é um monstro


M-M-Monstro


Esse garoto é um monstro


M-M-Monstro


Esse garoto é um monstro


M-M-Monstro


Ele comeu meu coração


(Eu amo aquela garota)


Ele comeu meu coração


(Quero falar com ela, é quente como o inferno)


Ele comeu meu coração


Ele comeu meu coração


Em vez de ser um monstro na minha cama


Eu só quero dançar


Mas ao invés disso, ele me levou pra casa


Uh oh! Havia um monstro na minha cama


Nós demos um beijo francês dentro do metrô


Ele rasgou minha roupa imediatamente


Ele comeu meu coração e meu cérebro


Uh oh uh oh


(Eu amo aquela garota)


(Quero falar com ela, é quente como o inferno)


Esse garoto é um monstro


M-M-Monstro


(Posso amá-lo?)


Esse garoto é um monstro


M-M-Monstro


(Posso amá-lo?)


Esse garoto é um monstro


M-M-Monstro


(Posso amá-lo?)


Esse garoto é um monstro


Er-er-er-er


N/A:GENTE COMO PROMETIDO,EUSATE CAP FOI ENORME,POR ISSO QUE DEMOREI APOSTAR,E FORA A URUCUBACA QUE SOFRI ONTEM,AO COMEÇAR A ESCREVER.MAS ISSO NÃO IMPORTA AGORA,POIS AQUI ESTÁ ELE FRESQUINHO PARA VOCÊS SABOREA-LO COM GOSTO.COMO DISSE TEVE MUITA EMOÇÃO...




OBS:GENTE.NÃO ÓDEIEM O JACOB.ELE SÓ AINDA ESTÁ SOFRENDO PELA SOMBRA DO PASSADO,MAS ELE LOGO ,LOGO IRÁ MOSTRAR O QUÃO SEDUTOR,E ROMANTICO QUE ELE É.






                                                        ***BY:Lu Fanfics***

0 comentários:

Postar um comentário

Comente,critique,elogie e de as suas sugestões,mais sem ofensas ok?Que eu sou muito sensível rsrsrs.

Seguidores

Instagram

Neces In Love Story Copyright © 2013 - Todos os Direitos Reservados